Compartilhar:

BREVE ANÁLISE DA FREQUÊNCIA RELATIVA MENSAL ACIMA DA MÉDIA E DAS OCORRÊNCIAS DIÁRIAS DE CHUVAS EM BELO HORIZONTE ENTRE 1962 – 2019

Christian Rosa Dias; Daniel Souza Cardoso; João Baptista da Silva

RESUMO

Em Belo Horizonte (BH), à medida que a urbanização foi se intensificando, esta foi feita de forma irregular e sem planejamentos, fazendo com que o número de desastres naturais, principalmente com chuvas, aumentasse devido ao aumento das construções das casas nas encostas e próximo as bacias hidrográficas. Para analisar as chuvas em BH no domínio da frequência, considerou-se 58 anos de dados cedidos pelo INMET através do BDMEP. Notou-se, através da análise das médias mensais, que os meses mais chuvosos são janeiro e fevereiro, em média 285 e 189 mm de chuvas mensais, respectivamente; novembro e dezembro, com 233 e 318 mm, em média, com maior destaque em dezembro. Verificou-se que em alguns registros históricos de alagamentos em janeiro e dezembro, apresentaram-se quando o número de ocorrências mensais era menor ou igual a média de ocorrências e maior ou igual, respectivamente. A frequência mensal, num comparativo com as média mensais, permite dizer que os registros históricos ocorrem em meses que o esperado mensal se distribuem da mesma forma que em meses que os esperados mensais são relativamente menores.

ARTIGO
Para se inscrever, basta submeter email: Revista Sociedade Científica

Convide seus amigos, basta compartilhar este link através dos links sociais abaixo.


Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *